Páginas

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Agradecimento e Feliz 2010!


Agradecer de coração é apenas um ato simbólico, principalmente considerando tudo que foi possível realizar e conquistar graças a esta equipe de jovens arquitetos e estudantes que integram e participam de alguma forma da TERRA. Estamos construíndo algo juntos, muito além de projetos e serviços, um processo, uma jornada que não tem fim, mas muitos portos interessantes e desafiadores. Queremos muito mais que criar bons projetos, queremos pensar algo diferente, algo inteligente, algo leve, inovador e simples, soluções que tenham como foco a harmonia entre homem e natureza e estejam em consonância com as necessidades e expectativas das pessoas neste século XXI. Humildemente sempre curiosos, querendo aprender mais, descobrir coisas novas, ir além da rotina e processos ultrapassados, a aventura está em descobrir, criar, buscar compreender a estrutura das coisas, sua lógica, sua essência...

Acima de tudo, muito obrigado a todos os parceiros e amigos da TERRA, por seu comprometimento, idealismo, profissionalismo e amizade. Feliz 2010 para todos nós e que possâmos estar à altura dos desafios que se apresentam e celebrar cada nova conquista, cada novo passo à diante... juntos e felizes!

Até lá curtam e aproveitem as merecidas férias!

Terra Arquitetura e Planejamento

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Imagens"Master Plan" dos jogos olímpicos Rio 2016























Presente de Grego enviado pelo Correio!



Trata-se de um crime contra a paisagem urbana e a arquitetura de Blumenau, não podemos deixar de nos manifestar contra este presente de grego, dado a nós pela Empresa Brasileira de Correios. É lamentável que em pleno século XXI ainda tenhamos essa anti-cultura de projetar e CONSTRUIR um proto-pseudo-enxaimelado no centro de nossa linda cidade de colonização original predominante alemã. Claro que não podemos esquecer que tal colonização faz parte do passado, que deve ser respeitado e admirado, mas muitas outras ricas culturas se somaram a alemã para compor a identidade cultural de Blumenau, italiana, nordestina etc. De qualquer modo devemos repudiar de forma veemente soluções como a do novo prédio dos Correios, porque fere nossa identidade, mancha a paisagem urbana, cria uma falsa referência e confunde as pessoas porque não se trata de técnica construtiva enxaimel e nem tem referência com nenhuma arquitetura ou qualquer coisa que as pessoas conheçam ou se lembrem. A implantação é muito ruim, pois está grudada na calçada, que já é apertada; está um pouco elevado, impedindo o fluxo natural e direto e a relação dentro-fora, detonando a escala humana e a possibilidade de perspectiva, ou seja, das pessoas olharem e compreenderem o edifício, o objeto construído, que deve compor com a paisagem do entorno, enriquecendo-a. Não é o caso. Algumas paredes tortas e enviesadas, telhadinhos como se fossem apêndices sem sentido e aberturas pequenas e repetitivas compõe esse disparate arquitetônico que nos foi dado de presente. É preciso sair dessa postura aculturada e pensar o futuro, afinal, olhar pra frente é um dos principais componentes e alimento da cultura de um povo. Tudo só faz sentido, inclusive conhecer, estudar e respeitar o passado se for para caminhar para frente de uma forma melhor e mais equilibrada... Em pleno século XXI já está na hora de superarmos esse complexo de mundo da fantasia, vivendo de referências antigas e ultrapassadas, que já passaram. Para garantir um futuro melhor, pensando inclusive soluções ambientais e urbanas para diminuir o risco de novos desastres, tornando mais equilibrada a relação do homem com a natureza no Vale do Itajaí, passa necessariamente por uma nova forma de pensar, mais arejada, mas democrática, mais tolerante. Fundamentalmente com o novo como referência. A base disto deve ser a compreensão de nossa história, nossa cultura, nossa arquitetura e urbanismos anteriores, e não simplesmente, de forma alienada oferecer cópias mal feitas, que não atendem mais às necessidades e expectativas da sociedade do século XXI.


Christian Krambeck
Arquiteto e Urbanista, profissional liberal e professor universitário.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

single hauz - habitações singulares



Este objeto no meio da paisagem que lembra vagamente uma tabuleta é na verdade um projeto arquitetônico dos polacos Front Architects que se destina a ser implantado em qualquer local: na cidade, na planície, na montanha, num lago, etc. É como uma estaca que se crava no solo, em terra firme ou na água. O conceito denomina-se Single Hauz - literalmente, habitação para uma pessoa - e pretende preencher uma lacuna ao nível da oferta de habitações para solteiros, um grupo social cada vez maior nas sociedades ocidentais.
É uma proposta singular e arrojada. À primeira vista pode parecer tecnicamente inviável, sobretudo no que toca à estabilidade de um grande volume apoiado num pilar de betão face ao vento ou a possíveis sismos. Essa é, no entanto, a questão mais pacífica (vejase, a propósito, a espantosa estrutura da Fábrica Johnson de F. Ll. Wright, de 1936). Mais importante é saber como se articula com as diversas infraestruturas próprias de uma habitação moderna - acessos, água, electricidade, esgotos - bem como o seu posicionamento relativamente a outros equipamentos. Neste aspecto é mais controversa.

Se, porém, o actual modelo social e urbano estiver em colapso - e muitos pensam que está - então será necessário encontrar alternativas ao nosso modo de vida. Viver só será então uma opção; dispor de pouco espaço um constrangimento, trabalhar à distância um hábito, habitar uma casa auto-sustentável uma necessidade. Neste prisma, a Single Hauz não se torna somente interessante como também visionária.




domingo, 6 de dezembro de 2009

Arquitetura Aquática Século XXI!


Um arquiteto francês apresentou publicamente o protótipo do que deve ser o primeiro navio vertical do mundo e que deve possibilitar ao homem uma nova maneira de explorar o fundo do mar. Jacques Rougerie, de 64 anos, diz que sua invenção, uma estação oceanográfica batizada de SeaOrbiter, será realidade "em um futuro próximo".

Ele afirma já ter metade dos 35 milhões de euros necessários para a construção da estrutura, que, ao contrário das atuais estações submarinas, será móvel e poderá navegar pelos oceanos.

"Atualmente, os oceanógrafos só podem mergulhar por curtos períodos de tempo e depois têm de ser trazidos para a superfície. É como se fossem levados para a Amazônia e depois tirados de lá em um espaço de uma hora", comparou. "O SeaOrbiter vai oferecer uma presença móvel permanente com uma janela para tudo o que está abaixo da superfície do mar."

Plataformas
Segundo o projeto de Rougerie, a estação terá 51 metros de altura e contará com uma parte submersa e outra para fora da água. Equipamentos de navegação e comunicação ficarão acima da superfície, juntamente com uma plataforma de observação.

Os cientistas viverão debaixo d'água e haverá uma plataforma pressurizada de onde mergulhadores poderão partir em missão. O projeto conta ainda com a consultoria de Jean-Loup Chrétien, o primeiro astronauta da França, que está envolvido no design da estação.

O sistema anti-colisão da estrutura é baseado no que é atualmente utilizado na Estação Espacial Internacional. Rougerie, que dirige um carro-anfíbio, vive e trabalha em um barco e já passou 70 dias em uma expedição submarina, disse que as chances de o SeaOrbiter ser realmente construído "são de 90%".

Um grande estaleiro francês já assinou sua participação no projeto, que também ganhou o apoio do presidente francês, Nicolas Sarkozy.

http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI4130141-EI238,00-Primeiro+navio+vertical+do+mundo+explorara+o+fundo+do+mar.html

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Christian Krambeck palestra na 4a Conferência Nacional das Cidades do Alto Vale.





No dia 19 de novembro, o arquiteto da Terra Arquitetura, Christian Krambeck esteve ministrando palestra técnica sobre os 4 eixos estruturadores da 4a Conferência Nacional das Cidades, na cidade de Presidente Getúlio, à convite da Associação de Municípios do Alto Vale do Itajaí.

O Lema da Conferência é: “Cidades para Todos e Todas com Gestão Democrática, Participativa e Controle Social”. E o Tema : “Avanços, Dificuldades e Desafios na Implementação da Política de Desenvolvimento Urbano”.

O debate está estruturado a partir de quatro eixos temáticos:

1 - Criação e implementação de conselhos das cidades, planos, fundos e seus conselhos gestores nos níveis federal, estadual, municipal e no Distrito Federal;

2 - Aplicação do estatuto da cidade e dos planos diretores e a efetivação da função social da propriedade do solo urbano;

3 - A integração da política urbana no território: política fundiária, mobilidade e acessibilidade urbana, habitação e saneamento; e

4 - Relações entre os programas governamentais - como PAC e Minha Casa, Minha Vida - e a política de desenvolvimento urbano.

Foi uma experiência muito interessante e a participação da comunidade, políticos, técnicos foi intensa, uma grande possibilidade de trocas e aprendizagem, principalmente porque estamos estruturando nossa empresa para atender os municípios de pequeno e médio porte nas seguintes áreas: planejamento urbano, gestão pública, habitação social, desenho urbano e projetos arquitetõnicos de equipamentos públicos.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Os meandros da construção sustentável

Os meandros da construção sustentável

Entrevista: Nelson Kawakami



Redação AECweb

A certificação de impacto ambiental que chegou ao Brasil em 2006, através do GBC – Green Building Council – deve ser incorporada pelos estádios que receberão os jogos da Copa 2014 e pelas edificações a serem executadas para as Olimpíadas no Rio de Janeiro. A informação é de Nelson Kawakami, diretor-executivo do GBC Brasil, em entrevista ao AECweb. Para ele, “é uma pena que esteja sendo criada no país uma elite de prédios ‘verdes’, enquanto a maioria sequer obedece as normas técnicas da ABNT”. Falta, segundo ele, consciência dos investidores e conhecimento de que um prédio comercial sustentável custa, no máximo, 10% a mais e, o residencial, entre 1% e 4%.

AECweb – Qual é o compromisso entre o COB e o GBC Brasil para as obras das Olimpíadas 2016?
Kawakami - Existe um compromisso entre o Comitê Olímpico Brasileiro e o Green Building Council de que todas as obras que serão construídas no Rio de Janeiro para as Olimpíadas serão certificadas. Não terá que ser, necessariamente, uma certificação LEED. Esse compromisso do COB pretende garantir o aspecto sustentável dos jogos.

AECweb – E os estádios para a Copa do Mundo no Brasil?
Kawakami - Os projetos de vários estádios de futebol receberam orientação da FIFA e da CBF de pleitearem a certificação. Vários deles já estão prevendo os critérios para a obtenção do selo. A prefeitura do Rio de Janeiro, inclusive, já nos pediu para providenciar uma especificação de projetos e obras da reforma do Maracanã.

AECweb – O que é fundamental num estádio para que seja certificado?
Kawakami - Os princípios são sempre os mesmos e se resumem a cinco critérios básicos, a começar pela localização que permita implementar transporte coletivo, e que a construção agrida o menos possível o meio ambiente e a vizinhança. Depois, requer a implantação de sistemas de reutilização de água de chuva e águas cinzas – no caso dos estádios, trata-se de um volume importante de água para irrigação do gramado. Outro fator importantíssimo nessas arenas é a energia gerada a partir de soluções como placas fotovoltaicas ou outra fonte renovável. É preciso que utilizem materiais recicláveis, de forma a retirar menos recursos da natureza e que a obra seja organizada, não afete os vizinhos e gere a menor quantidade possível de resíduos.

AECweb – Onde está o maior entrave para a sustentabilidade na construção no país?
Kawakami - O maior entrave ainda está no investidor e incorporador que entendem que a obra sustentável tem maior custo. Eles desistem porque não querem gastar mais dinheiro, mesmo que colham os benefícios futuros na operação do edifício. Essa postura impede que o mercado mude mais rapidamente.



AECweb – Quanto mais caro, realmente, custa um prédio ‘verde’?
Kawakami - Um prédio comercial terá custo um total de construção entre 5% e 10% mais caro que o convencional, e o residencial entre 1% e 4%. Mas o incorporador acha que custa 20% ou 30% mais caro e tem a crença de que a construção não agride a natureza. É um problema de consciência, de cultura, de visão.


AECweb – Quando o empreendedor vai utilizar o edifício, ele investe em certificação porque sabe que o payback é ótimo, certo?
Kawakami - As grandes construtoras, como WTorre e Tishman Speyer que constroem e depois administram o prédio para o usuário final, além dos grandes usuários como a Petrobras, têm a visão completa do processo. E sabem que, se gastarem um pouco mais na construção, o retorno é fantástico.

AECweb – E qual é o ‘payback’?
Kawakami - Cada segmento de obra tem um ‘payback’ diferente. Por exemplo, quando se faz uma reforma num prédio para otimizar o uso da água, o retorno do investimento é de cerca de 11 meses. Conheci um projeto que se pagava em 4 meses. Fiquei admirado e confirmei com o pessoal do projeto PURA. O ‘payback’ de um projeto de energia elétrica é de um ano, no máximo um ano e meio. Num prédio novo é ainda mais favorável porque tudo foi pensado no projeto.

AECweb – Da concepção à execução, qual a etapa que apresenta maior dificuldade?
Kawakami - Entendo que ainda é o todo. Nem todas as empresas de projeto incorporaram a visão de sustentabilidade, mas têm que começar a se preocupar com essa sistemática. O desenvolvimento do projeto deve contar com a participação de todos, desde a geração da idéia, para que se tenha menor retrabalho. Apesar de toda a evolução que tivemos na construção civil nos últimos anos, o canteiro de obras continua apresentando perdas elevadas.

AECweb – De um lado, estão os edifícios certificados. De outro, grande parcela que sequer adota normas técnicas. Está se criando uma elite ‘verde’?
Kawakami - O Brasil é um país de diferenças sociais gritantes. Na construção civil não é diferente. Acabamos de produzir uma cartilha para orientar a autoconstrução e as pequenas construtoras no caminho da sustentabilidade. Com isso, queremos influenciar e mudar essa realidade que, como você acabou de dizer, vai se criando uma elite ‘verde’. É uma pena que seja assim.

AECweb – É grande o número de ‘green wash’?
Kawakami - Com certeza. É a ‘lei do Gerson’ ainda em vigor, com o pensamento do tipo: “vou dizer que faço, e não faço, e ganho mais”. O edifício é vendido como se fosse sustentável e não é nada. E, às vezes, é até pior que o convencional. Teve um caso – não me lembro qual a construtora -, de um prédio anunciado como ‘verde’. Um comprador ligou no GBC perguntando se não podíamos fazer alguma coisa, pois nem água tinha no edifício, além de apresentar uma série de defeitos de construção. Eu não tenho poder legal para acionar ninguém, não é nosso papel, mas do Ministério Público que lança mão do Código de Defesa do Consumidor. Só vamos acabar com o ‘green wash’ a partir da conscientização do consumidor.

AECweb – O poder público têm essa consciência para suas edificações?
Kawakami - Está começando. O melhor exemplo que temos é o da prefeitura do Rio de Janeiro, para quem elaboramos há dois anos o caderno de encargos para todas as obras que contratariam para seus prédios próprios. É o caso do edifício Pereira Passos que está sendo reformado e certificado com o LEED. Desenvolvemos com eles, ainda, o projeto de uma escola certificável que será replicada 28 vezes - está em fase de projeto executivo.

AECweb – Já existe no Brasil algum retrofit com LEED?


Kawakami - Hoje são sete prédios comerciais sendo retrofitados e que pleiteiam o LEED. Em São Paulo, posso citar o edifício Eluma, na avenida Paulista, com mais de 30 anos de existência, e o New Century, nos Jardins. No Rio de Janeiro, o edifício La Tour está fazendo um retrofit tão amplo, incluindo as fachadas, que virou nova construção. Essa é, portanto, uma área que avança e tem muito por crescer porque há um grande número de prédios antigos ineficientes. Nos Estados Unidos, o número de prédios em reforma se equilibra com novas construções.

AECweb – No Brasil, quantos edifícios estão certificados com o LEED?
Kawakami - Temos 149 edifícios pedindo o LEED. Desse total, dez já estão certificados. Isto equivale a menos de 1% das novas obras, portanto, há muito o que fazer. Em 2008, tínhamos 102 pedidos; em 2007, eram 47; e em 2006, oito.

AECweb – Há demanda para o LEED EB O&M destinado a edifícios existentes?
Kawakami - Os dois edifícios de São Paulo que estão sendo retrofitados entram na categoria LEED de Operação e Manutenção (O&M). Temos, ainda, os edifícios Firmenich – Fibras II, em Cotia; o SBIBHAE – Unidade Morumbi; a Torre Sandanter São Paulo; e a Sede da Serasa - São Paulo.

AECweb – Qual a posição do GBC Brasil em relação ao selo Procel EDIFICA?
Kawakami - O GBC Brasil apóia o selo brasileiro lançado pela Eletrobrás. Tanto o Procel EDIFICA como o LEED são baseados na norma técnica internacional ASHRAE 90.1, utilizada pelos projetistas brasileiros. O selo foi anunciado em 2007, em caráter experimental, e agora formalizado. Já há, pelo menos, quatro prédios etiquetados – dois da Universidade Federal de Santa Catarina e duas agências da Caixa Econômica Federal. É um caminho importante para a sustentabilidade, ao exigir desempenho energético e alguma coisa em relação a água.

Redação AECweb

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Terra palestra na 4a Conferência Regional do Alto Vale

O arquiteto e urbanista e sócio fundador da Terra foi convidado para proferir uma palestra na 4a Conferência Regional do Alto Vale, SC, evento que integra a Conferência Nacional organizada em âmbito nacional pelo Ministério das Cidades. A palestra fará uma rápida contextualização da região que tem Rio do Sul como cidade pólo, em seguida um breve balanço sobre os resultados da conferências anteriores e em seguida falará sobre os 4 eixos temáticos propostos.

Lema : “Cidades para Todos e Todas com Gestão Democrática, Participativa e Controle Social”.
Tema : “Avanços, Dificuldades e Desafios na Implementação da Política de Desenvolvimento Urbano”.

A Conferência acontecerá nesta quinta-feira, dia 19, na cidade de Presidente Getúlio, próximo de Ibirama. Também participarão nossos parceiros da SUPORTTE FLORIANÓPOLIS, os economistas Willian e André Ruas.

sábado, 14 de novembro de 2009

Mercado Público Blumenau em 2010!


Esse é o nosso sonho e o de toda a cidade imaginamos, acho que vamos ter que trabalhar um pouco mais para ter um novo Mercado Público em Blumenau, afinal, as coisas acontecem por pressão e necessidade. Seria muito legal o atual prefeito entregar o Mercado de Blumenau ao final de sua gestão, poderia ser um marco simbólico da recuperação definitiva de Blumenau do desastre ambiental de 2008 e um ponta pé na economia e no turismo da cidade. Podemos nos tornar referência nacional, mas precisamos fazer mais, agir ainda mais e ser mais criativos ainda...
mercadoblumenau.blogspot.com
este é o link para o blog do mercado, lá vc encontra reportagens, histórico, fotos e informações sobre todo o processo, em breve deverá acontecer a licitação pública para a obra tão esperada pelos blumenauenses...

terça-feira, 10 de novembro de 2009

A Interface entre Moda e Arquitetura


O espaço não é simplesmente a projeção tridimensional de uma representação mental, mas é algo que se ouve e no qual se age. Espaços de movimento – corredores, escadas, rampas, soleiras; é ai que começa a articulação entre o espaço dos sentidos e o espaço da sociedade, as danças e gestos que combinam a representação do espaço e o espaço da representação.







os arquitetos sócios da TERRA ARQUITETURA - http://www.terra.arq.br/ - Christian Krambeck e Daniela Pareja Garcia Sarmento ministraram a disciplina Interface entre Moda e Arquitetura na pós-graduação da ORBITATO - INSTITUTO DE ARQUITETURA, MODA E DESIGN- http://www.orbitato.com.br/ em Pomerode nos dias 30 e 31 de outubro. Foi uma experiência muito rica e a turma contribuiu muito para a qualidade da discusão e do resultado atingido. Em breve postaremos as imagens da aula e as instalações produzidas, lindas!

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Participe do Festival Oasis!

FESTIVAL OASIS SC

Acontece entre os dias 30 e 01 de novembro o Festival Oasis Santa Catarina, grande momento de mobilização cidadã em rede que trará exemplos de melhores práticas e gestão social para contribuir na reconstrução do Estado e indicar um projeto para o futuro, um projeto sustentável e participativo. Vale conferir!

LOCAL: Vila Germânica Blumenau, Setor 3
Horário: 8:30 às 18:00

Festival Oasis Santa Catarina!

O Festival Oasis Santa Catarina é um encontro de trabalho de pessoas interessadas no propósito da rede Oasis Santa Catarina

O evento nasce em meio à busca por uma nova postura social e da vontade de disseminar um novo olhar sobre o mundo em que vivemos. O Festival Oasis utilizará o poder de tecnologias, conhecimento e sonhos da população catarinense e celebrará o encontro de líderes governamentais do Estado (prefeitos, governador, funcionários públicos), empresários de diversos setores, estudantes universitários, especialistas e representantes da sociedade civil – comunidades e organizações não-governamentais – para compartilhar boas práticas e realizar (através de processos de construção e inovação coletiva) o pacto social por uma visão de mundo desejada e sonhada por todos.

“Se reuníssemos o melhor do povo de Santa Catarina, universitários e especialistas do Brasil para construirmos o Estado de nossos sonhos, como ele seria?”

http://www.festivaloasis.com/

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Mudança para melhor


A arquitetura, seja ela como implantação de um equipamento urbano ou uma simples intervenção consegue reconfigurar a rotina dos moradores de uma cidade, além de ser uma iniciativa simples e e divertida.

A idéia além de atrair a atenção dos moradores locais conseguiu, em uma delas, arrecadar maior quantidade de garrafas e na outra mais de 60% preferiu a escada piano em relação a escada rolante.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Segurança Pública e Planejamento Urbano!

Artigo publicado no Jornal de Santa Catarina de 22/10/2009 e no Jornal Folha de Blumenau de 21/10/2009.
A miopia ou arrogância faz com que alguns enxerguem a solução para a segurança pública apenas sob a ótica do policiamento e repressão, esquecendo-se que a insegurança e a violência são reflexos do “estado de espírito” da sociedade atual, e como tal devem ser tratados, ou seja, com inteligência, sensibilidade, democracia e planejamento urbano. Além, em longo prazo, da educação e distribuição de renda. Muitas vezes, a própria sociedade resolve ou ameniza seus problemas de forma espontânea e inteligente. Exemplo disto são os micro empreendedores do cachorro-quente, que com suas barraquinhas e minivans transformam as noites da nossa cidade, trazendo alegria, olhos amigos, luz, som, movimento e segurança, além é claro, de deliciosos cachorros quentes. Como professor de urbanismo, explico aos meus alunos que um dos principais fatores de segurança urbana noturna é a presença de pessoas, são os olhos da cidade, ou seja, pessoas passando e convivendo que olham e cuidam umas das outras. O contrário disso são ruas desertas, escuras e sem movimento, um convite aos marginais de plantão. Cada carrinho destes pode gerar segurança para uma área de 200 metros de raio, imaginem vários destes empreendimentos ambulantes espalhados pela cidade e a vida que iam trazer para vários pontos antes deteriorados. É claro que precisa haver planejamento urbano integrado e regras claras para garantir a convivência pacífica com os demais estabelecimentos, a higiene e salubridade e o pagamento de impostos, mas não se pode ter uma visão retrógrada e simplista e proibir tais atividades, principalmente durante a noite, quando o movimento da cidade praticamente desaparece. Muitas vezes nos preocupamos com o problema errado e deixamos de ver coisas mais importantes, neste caso, além dos benefícios já citados, a venda noturna do consagrada pão com salsicha e molho gera renda para quase 100 famílias blumenauenses. Alguns hipócritas criticam durante o dia e à noite fazem fila para degustá-los. Precisamos dinamizar a cidade, garantindo oportunidades iguais a todos e buscando maneiras novas para resolver antigos problemas. Bom senso, criatividade, tolerância e sensibilidade são sempre bem vindos, afinal, já vivemos no século XXI e temos todas as condições para começar a construir territórios inteligentes. Vida longa aos carrinhos de cachorro quente, respeitá-los e deixá-los trabalhar em paz já é um começo!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Sustentabilidade e a Arquitetura Atual

Divulgamos uma reportagem do escritório paulisa de arquitetura FGMF, o qual admiramos muito. A curta entrevista nos faz refletir em como o mercado imobiliário está encarando esta onda sobre sustentabilidade e qual tipologia arquitetônica predominante está construindo a paisagem do mundo atual.



segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Sampa!!! de tudo um pouco

Olá pessoal, vou registrar aqui algumas novidades trazidas na bagagem...durante esses dias que estive em Sampa...lá vai!!




Nos dois primeiros dias, mergulhei no roteiro de exposições de arte, é, tem várias exposições bacanas acontecendo por causa do ano da França no Brasil.

A primeira foi na FAAP, exposição do estilista Christian de Lacroix, bárbaro!! ali eu entendi a linha tênue que divide a moda da arquitetura...o cara é um Gênio!! segue uma palhinha do que eu vi... www.faap.br/hotsites/hotsite_lacroix/lacroix2.asp


Depois fui ver Matisse, na Pinacoteca do estado, uma banho de cores...super bacana, e junto com ele tinha o trabalho de mais 5 artistas contemporaneos, na tentativa de fazer um diálogo...veja as imagens







Outro trabalho incrível foi o do francês Celest Boursier, instalação no octagono da Pinacoteca chamada Variation, são três piscinas, com vários potes de cerâmica francesa que flutuam e se movimentam com a água...e quando elas se chocam emane um som super delicado e envolvente...veja o vídeo...


video


Depois fui parar na estação da Pinacoteca, e conheci o trabalho da artista plástica brasileira, Leda Catunda, que tem um trabalho de pesquisa incrível, ela explora os tecidos e objetos do imaginário popular...tanto no trabalho da Leda e do Matisse, fica claro o método de pesquisa utilisado pelos artistas...isso foi o mais bacana...e tem essa frase do Matisse que sintetisa o que aprendi nesse mergulho...





"desenhar é explicar uma idéia. O desenho é a precisão do pensamento. Pelo desenho os sentimentos e a alma do pintor passam sem dificuldade para mente do espectador. uma obra sem desenho é como uma casa sem estrutura." Matisse




Outra exposição incrível foi dos artistas da Vanguarda Russa, no Centro Cultural Banco do Brasil,
o que chamou a atenção foi a importancia do posicionamento desses artistas na virada do sec. XIX para o sec. XX digamos que eles são os percursores do pensamento e da estética moderna.
htpp://mais.uol.com.br/view/9gge59miqc0i/exposicao-virada-russa-0402396EE4813366?types=a&



Depois fui participar do Salão do Imóvel de São Paulo, confesso que nao vi muita novidade ....
o que predominou foram produtos para o minha casa minha vida, e infelizmente de arquitetura vi muito pouco...
Participei também da Conveção do SECOVI, aí sim valeu a pena!!! com a palestra do prof. Dr. Alfonso Vegara, apresentando o conceito de territórios inteligentes, e a produção do Instituto Metropolis de Madri, trata-se de encarar o território como clustters de excelencia, pautado na economia criativa como base para o desenvolvimento economico e territorial. Ele fala do potencial das cidades médias, em desenvolver esse conceito de território, o que se enquadra perfeitamente a nossa realidade aqui no vale.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Terra em São Paulo, na Feira de Imóveis e curso...

Arq. Daniela Pareja Sarmento, sócia Terra Arquitetura, está em São Paulo fazendo um curso de Empreendedorismo Imobiliários e participando da Semana e Feira de Imóveis de São Paulo, dentro da política TERRA de formação continuada e atualização profissional. De lá ela estará enviando informações e notícias on line diretamente para nosso bLOG :

terraarquitetura.blogspot.com

LANÇADO ALBUM DE FOTOS ON LINE TERRA!

http://www.flickr.com/photos/terraarquitetura

esse é o link para acessar o flick da TERRA, lá vc poderá visualizar várias fotos de projetos, processos e reuniões de trabalho, momentos de confraternização, ações sociais e outras atividades TERRA realizadas ao longo dos últimos meses. Obrigado pela parceria e interesse, essas imagens só foram possível graças a todos vcs.

Projeto Residencial da Terra na revista ALTO PADRÃO!







Saiu na revista Alto Padrão de junho de 2009 a casa projetada à beira-mar da praia de Porto Belo, quem quiser conferir mais detalhes pode acessar pode acessar o nosso flik. Esse projeto deu muita satisfação e sintetiza muito do nosso pensamento arquitetônico, fundir as necessidades e expectativas do cliente, as características arquitetônicas, culturais e ambientais da região, com um desenho contemporâneo simples e limpo, neste caso, privilegiando o contato com o mar e a convivência entre os vários ambientes da casa e do entorno, como uma espécie de mini vila.